quinta-feira, 11 de agosto de 2011

A INVOCAÇÃO DO ADVERSÁRIO


“...Tradução livre e adaptada (com permissão do autor), para o português do Brasil com acréscimos de notas de rodapé para melhor compreensão dos textos, feita por Kavs Gael Lvnae, com colaboração de Azazel Semjaza Qayinn Lvnae, do Artigo “INVOCATION OF THE ADVERSARY de autoria de Akhtya Seker Arimanius (Michael Ford - Outubro de 2002)...”


Este ritual pode ser feito com o sol em seu ápice, ou na Lua cheia ou escura, para que Iblis[1] seja finalmente revelado. O objetivo do ritual é invocar o espírito do Adversário conhecido como Shaitan/Iblis, Satã, Lúcifer, ShT, Azazel...

O feiticeiro deve procurar o fogo-espírito de mudança, rebeldia e progressão. O símbolo de Set o Adversário deverá tomar a forma do Diabo terrestre[2], a criativa (e destrutiva) força solar, de mudança e auto-deificação.

Há duas faces primarias do Adversário. O Celebrante pode construir a mascara com dois lados, que deve ser colocada no centro do Altar:

Lado Um - O Serafim caído Lúcifer, a Angélica essência de Chama Negra, se tornando e sendo, a própria essência de nossa sabedoria.

Lado Dois – O Serafim da Flama, Iblis o Djinn[3] de Fogo, o Demônio da Flama Enegrecida, serpente, besta, dragão, lobo, cabra. Satanás é a camuflagem do diabo iniciador do caminho dos sábios[4], para aqueles que riem dos avisos de uma sociedade totalmente submissa.

Use um Robe ou Manto Carmesim[5], a cor da flama e do movimento. (Use) O símbolo do pentagrama invertido, para indicar a união dos anjos caídos com a humanidade, para assim criar a divindade. Na Corrente de Feitiçaria SethianA, o Feiticeiro se torna mesmo como ShT, sendo assim (ele ou ela) no círculo o primeiro no caminho do Sangue-Bruxo.

NA HORA DO MEIO-DIA
Invocação do Djinn de Fogo
Ya! Zat-i-Shaitan!
Ó, anel de Fogo, ardente sol dos soís, elevada alma de escorpião, que emerge com o sol do meio-dia.

Sekak Sekak, Iasokilam
Eu falo agora ao sol, com o fogo da elevação e da Iluminação;
Que em seu orgulho e conhecimento de si, eu possa me tornar como (Tu)
Eu chamo sua essência nesta Hora do Meio-dia para a chama do escorpião

Al-Saiphaz, Al-Ruzam,

No ponto de encruzilhada, quando o Sol está em seu ápice Eu falo as tuas palavras de poder

Zazas, Zazas, Nasatanada Zazas
Zrozo Zoas Nanomiala Hekau Zrazza
Sabai infernum

Vou transcender e ascender acima de todas as coisas, e somente eu posso me fortalecer nesta luz
Nesta hora Eu Ilumino, Eu queimo com a gloria da Luz Lúciferiana – Dentro de mim!

Acima do trono de Azothoz fica o anel de fogo, a entrada de Set-heh, Adversário dos nove Portões e dos sete pontos do Dragão!
Eu vou agora entre e além, dentro e fora!

NA HORA DA MEIA-NOITE

Ya! Zat-i-Shaitan!
Pelo Portão da Luz Negra, quando eu nomeio as palavras contra o Sol
Ó, Foogo Djinn Azazel, Set-heh, eu te convoco agora com a língua das Serpentes,
Pelo meu juramento perante esta chama negra, Acessa dentro de mim.
E sonhando no Aethyr serei Eu conhecido na sabedoria da Lua

Al Zabbat, Hekas, Hekau, Alma de Serpente a quem eu chamo
Levante agora de tua Luz Negra, eu que vejo o que nunca foi conhecido

Akharakek Sabaiz

Eu Evoco a sombra do que eu sou e sempre fui
A escuridão que Eu nutro entre a luz
Eclipse agora o rosto de Deus que eu fico nesta imagem escurecida,
Por este círculo me torno Eu
Pela chama que emerge em mim
Eu sou a forma do Pavão, beleza Angelical revelada àqueles que podem ver
Como o Sol negro eleva-se, Eu me transformo nesta pedra de Esmeralda
Eu sou a imaginação, a Semente do Anjo Caido
Na escuridão existe minha Luz
Minha vontade dá a Luz no reino dos Incubi e Succubi, o nutri o desejo deles no sangue da Lua, Lilitu Az Drakul.
Assim está feito!

COMENTÁRIO

O Ritual do Adversário é um rito duplo que explora, circunda e anuncia o comando sobre a aproximação inteira de si mesmo (Self). Embora o rito seja um chamado que pode ser feita tanto ao meio-dia (Luz) quanto na meia noite (Trevas), o feiticeiro pode escolher em qual horário deve fazer, bem como, um outro ponto focado da energia do feitiço pode ser construído. Isto está considerando a incorporação do Ego dentro do domínio perpetuo da psique, em referencia ao modelo de Shaitan. É essencial que o mago perca toda a percepção de qualquer coisa fora do circulo, e inflame e submirja na gnose, o circulo é a circunferência do Mundo dos Feiticeiros. Para que o Ritual seja um sucesso e preciso “virar a faca para si mesmo” na área auto-direcionada de energia desejada. O ritual do Adversário em conjunto com a oração Oposto do Senhor (utilizados em determinados Covens Luciferianos para invocar o Diabo-Cain) fornece uma base poderosa para a auto-deificação da Gnosi no Sabbat das Bruxas.


Para mais informações sobre as obras de Michael W. Ford visite o link: 


[1] Iblīs é o principal demônio no Islã. Ele aparece mais freqüentemente no Corão como Shaitan, um termo usado para se referir a todos os espíritos malignos que o auxiliam, mas que é comumente usado para se referir apenas a Iblis. Iblis é mencionado 11 vezes, e Shaitan "al-Shaitaan” 87 vezes. Ele é o chefe dos espíritos do mal (Shaitan), e sua personalidade é similar ao do Diabo na Cristandade.
[2] O Autor usa a palavra “EARTHEN”, que traduzida dentro contexto do Ritual (Construção pelo Oficiante da Máscara do Adversário), seria: feito de cinzas ou de terra (Barro). Além dos Sigilos, também o Ritual a nosso ver, pede o auxilio de um ícone de Barro (imagem) do Diabo. Acrescento ainda que intrínseco na leitura do artigo à construção da máscara do Adversário pode ser feita misturando-se a argila há  materiais diversos (cinzas de mortos, terra de encruzilhada, terra de Igreja ou locais sagrados) para os diversos níveis de compreensão do Adepto, e num estágio avançado (quando quebrado o ícone mortal) o rito poderá ser feito ainda com outras alfaias  (máscara de bode, espelho, pinturas faciais, etc)..
[3] Djinn ou gênio (do latim genìus) é uma espécie de espírito da mitologia Árabe (Persa) que rege o destino de alguém ou de um lugar, frequentemente sendo associado a algum dos elementos da natureza, das artes, vícios etc. O termo pode ser empregado como um equivalente em português do árabe "jinn", uma vez que na mitologia árabe pré-islâmica e no Islã, um jinn (também "djinn" ou "djin") é um membro dos jinni (or "djinni"), uma raça de criaturas sobrenaturais. A palavra "jinn" significa literalmente alguma coisa que tem uma conotação de dissimulação, invisibilidade, isolamento e distanciamento.
[4] Para os que estão na busca, a figura de Satanás, é apenas uma das muitas formas (ou camuflagem) que Nosso Senhor o Diabo-Iniciador, assume, assim como, muitas outras formas podem ser identificadas i.e: Demônio, Arhiman, Seth, Azazel, Saklas, Samael, Lumiel, Iblis, etc .
[5] Carmesim é um tom de vermelho forte, brilhante e profundo, combinado com algum azul, do qual resulta um certo grau de púrpura. É a cor do corante produzido por um inseto - Kermes vermilio, mas o nome também é usado para descrever cores ligeiramente azul-avermelhadas em geral que estejam entre o vermelho e o rosado.

2 comentários:

Mia Lopes disse...

Interessante,

Esses dias estava pensando em fazer um rito para encarar meu daimon, me questionei se estaria preparada ou ainda com qual objetivo faria isso.
Daí esse texto me traz a resposta, procurar o fogo/espírito de mudança, rebeldia e progressão, mas para isso é necessário revelar Iblis.
Achei perfeito todo rito, além de desafiador, já que não é fácil se encarar.
O rito traz aspectos de nossa vida, temos duas faces de fato e precisamos conhecê-las e saber aplicá-las.
Vou fazer o rito e logo compartilho minha experiência.

Jayhr Gael Lvnae disse...

Quando achou o Dainon e o viu no espelho, o reflexo foi invertido...nas ações....