quarta-feira, 14 de setembro de 2011

A CONFISSÃO DE UM JUREMEIRO

Jair Gael Lvnae em prática de Jurema Sagrada Catimbó
(Vilas de Abrantes-Bahia)

Sempre me pedem para que eu defina meu caminho..Há uma insistência para que eu diga  de uma vez por todas que crença eu sigo. No que acredito. No que sou e porque sou... Defina-se!!!!!, dizem..

...Mas, qual ser humano tem facilidade de definir a si mesmo sem cair no pieguismos ou sem está compromissado com os padrões exigidos pela sociedade ou pelo grupo (ou tribo) que esteja inserido ou queira se inserir?

“Cada qual que seja feliz com suas escolhas...”

Aos que buscam compreender quem eu sou, saiba que não me defino, eu mim  reinvento e sempre que for preciso torno novas todas as coisas dentro e  ao redor de mim mesmo. Abandono quem e o que para seguir a sabedoria  da Ciência Sagrada...

Nos caminhos que percorri deixei pessoas que amei, lugares que me apaixonei, crenças e práticas que vivi para “vir a ser. Eu abandonei caminhos dantes trilhados com militância xiita, para trilhar novos caminhos já antes trilhados num tempo em que essa consciência de hoje não era nem projeto de “vir a ser”.



Lumiel , Santa Edwirgens, Nossa Senhora da Conceição 
São Cosme e São Damião, São Judas Tadeu


Intercâmbio entre o que fui ontem e o que sou hoje.
Eterna ciranda da vai e vem, morrer e renascer.

Amo o solo que me recebeu no dia que nasci e que hoje me dá sua dádiva e ciência sagrada, por meio dos espiritos do caminho que jazem debaixo de meus pés, com eles aprendi a sorver  raiz, caule, folha, flor, fruto e semente da árvore que é cidade, reinos e estados, com Mestres e Mestras por guia que acosta e tratam dos problemas além da medicina e da igreja.

Tenho aprendido com velhos caboclos da terra o segredo da fumaça, não para ser um arcano secretissimo de um seleto grupo de escolhidos e iluminados, mas sim, para ser disseminado entre os que com sinceridade e respeito buscam...

Por isso abre-te portais do sagrado, há um Rei Coberto de Penas com chaves  e preaca na mão, a ele peço licença e permissão.

Abre-te para cá, daí-me licença meus Padrinhos, a benção meu antepassados, pois estou aquí de volta, voltei e cá estou pra ficar, para ser pioneiro na terra dos orixás daquilo que está aqui antes de mim e por mim há de voltar aqui...

Finco a cruz e rezo credo da liberdade de todas as crenças, transcedo o ícone de todos ethos, essa é, condição indispenásavel para chegar a “ser juremeiro”. 


Não tenho vergonha dos Caminhos que trilhei lá atrás para chegar até aqui na frente, não nego ou renego, nem cuspo no prato que comi, sei o que fui e o que sou, e sei que sem esses caminhos que dantes andei, o meu caminho hoje seria panas pranto. 


Foram eles, esses caminhos dantes percorridos nessa consciência, que me levaram de voltam aqueles velhos caminhos trilhados na consciência passada...


Contradições e Reinicios.

Eu sou o que sou, mudar sempre, nunca ser o mesmo... processos de renovação constante. 
A terra me chama e eu ouço: no canto do pássaro, no farfalhar do vento nas folhas, no cair de cada pingo de chuva que fertiliza solo e enche corregos, lagoas, lagos, rios e mares; no rastejar da serpente sobre a relva queimada de sol; no brilho da lua e das estrelas; em tudo ao redor de mim mesmo.

Mas a voz que mais grita, é aquela que no silêncio de dentro de mim ecoa, tão alto que é capaz de intercambiar minha consciência com a  consciência de Meu Mestre do reino encatado...
Ouça o grito do mato..
Kio!!!! kio!!!! Caboclo!!!!!
Então cante Salve os Mestres!!!!
Seu José Pilintra

***************************************************************************
As imagens do texto são do Peji (Altar) pessoal de Jair Gael Lvnae 
Sua reprodução é permitida desde que citada a origem, autor e fonte.

25 comentários:

Gerson Tavares disse...

O mais difícil é o início.

Início este quando é necessário largar os apegos para trilhar o próprio caminho e ainda lembrar dos respeitados antepassados, parentes que já estão no outro plano e que precisam ser sempre lembrados.

☽❍☾ Κάδμος Νηρεύς Azazel Lvnae ☽❍☾ disse...

vamos lá.
acho que o texto ficou bem legal, pois o mesmo ainda deixa no ar um q de mistério em relação ao que o senhor segue, mas ao mesmo tempo deixa claro que.
a metamorfose que passa constantemtente é uma maneira de nao estar engessado dentro das práticas ditas corretas de qualquer caminho (moral ou amoral), mas que o seu coração te leva onde vc veja a chama do sagrado.
e o mais importante com isto é que nao há o medo com o julgamento dos outros e sim um compromisso com o que seu coração acredita.

Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Olá Irmão Gerson, mais uma vez gratidão a você, por está partilhando esse reinicio comigo. Além disso, realmente nosso forte são nossos antepassados...Obrigado..

Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Irmão Cadmo, obrigado pelos comentários, fiquei lisonjeado de verdade...

Julio Cesar disse...

Olá Gael,

Gostei de seu texto, tem uma cadência de idéias que, para mim, se assemelha à poesia.

Mensagem importante você passa a todos nós: devemos viver e honrar nosso caminho, seja ele qual for, com orgulho e alegria, desconsiderando quaisquer conceitos que eventualmente limitem nossas mentes e corações.


Boa sorte em seu sempre renovado caminho, tudo de bom pra você!
Atenciosamente, Julio Cesar Martins.

Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Olá Julio,
Agradeço as palavras..
E espero que a renovação consciênte possa se tornar uma prática em tua vida..
Bençãos...
Em nome dos Senhores Mestres

Soluz disse...

SÊMEN
(Mestre Ambrósio)

Nos antigos rincões da mata virgem
Foi um sêmen plantado com meu nome
A raiz de tão dura ninguém come
Porque nela plantei a minha origem
Quem tentar chegar perto tem vertigem
Ensinar o caminho, eu não sei
Das mil vezes que por lá eu passei
Nunca pude guardar o seu desenho
Como posso saber de onde venho
Se a semente profunda eu não toquei?

Esse longo caminho que eu traço
Muda contantemente de feição
E eu não posso saber que direção
Tem o rumo que firmo no espaço
Tem momentos que sinto que desfaço
O castelo que eu mesmo levantei
O importante é que nunca esquecerei
Que encontrar o caminho é meu empenho
Como posso saber de onde venho
Se a semente profunda eu não toquei?

Como posso saber a minha idade
Se meu tempo passado eu não conheço
Como posso me ver desde o começo
Se a lembrança não tem capacidade
Se não olho pra trás com claridade
Um futuro obscuro aguardarei
Mas aquela semente que sonhei
É a chave do tesouro que eu tenho
Como posso saber de onde venho
Se a semente profunda eu não toquei?

Tantos povos se cruzam nessa terra
Que o mais puro padrão é o mestiço
Deixe o mundo rodar que dá é nisso
A roleta dos genes nunca erra
Nasce tanto galego em pé-de-serra
E por isso eu jamais estranharei
Sertanejo com olhos de nissei
Cantador com suingue caribenho
Como posso saber de onde venho
Se a semente profunda eu não toquei?

Como posso pensar ser brasileiro
Enxergar minha própria diferença
Se olhando ao redor vejo a imensa
Semelhança ligando o mundo inteiro
Como posso saber quem vem primeiro
Se o começo eu jamais alcançarei
Tantos povos no mundo e eu não sei
Qual a força que move o meu engenho
Como posso saber de onde venho
Se a semente profunda eu não toquei?

E eu
Não sei o que fazer
Nesta situação
Meu pé...
Meu pé não pisa o chão.

Le disse...

Meu irmão, vc é uma metamorfose ambulante!
Mesmo agora, 12 anos depois, ainda consigo me lembrar com perfeição daquelas noites em que vc me falava sobre o ciclo: “Nascer, crescer, morrer, renascer...” Dragão e cavaleiro, figuras usadas por forças maiores ( assim acredito) , como forma de me trazer ao caminho novamente, como uma espécie de chamado. Um chamado oculto nas figuras do cavaleiro, homem mortal, limitado, imperfeito.. Do Dragão, ser divino, antigo, magico, místico, que transcendeu eras , assim como o caminho....... O chamado do dragão era o grito de Ogum, raios de Oyà, flechas de Oxossi! E se mudarmos os nomes? Que diferença faz? São Jorge, Santa Barbara, São Sebastião?... Não entendo muito bem a questão de se definir um “nome” para o caminho que se segue, só sei que nosso coração nos avisa, de uma forma ou de outra..... A energia, o axé nos leva, de uma forma ou de outra...... “ Nascemos ( conhecemos o caminho), crescemos ( provamos o caminho), morremos ( entendemos o caminho) e tudo se repete, até que por fim, nos tornamos o caminho...” . A vc, só devo agradecer ;)

Silvio Filigi disse...

Como verdadeiros pecadores em termos cristão, procuramos viver de acordo com que a sociedade quer da gente. Algo que talvez nos faça perder e esquecer nossas origens. Assim como hj em dia você é tachado se escuta musica antiga ou até mesmo faz uma declaração de amor.
Possoestá enganado, mas, acho que as pessoas em geral tem medo de buscar as suas essências, medo talvez não pela busca, mas, medo do que a sociedade vai pensar e achar.. Digo mas, talvez eu tenha este medo também..

Parabéns pelo texto.

Uriel.

Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Olá Uriel..
A quanto tempo não nos falamos?
Agradeço por demais ter lido nosso texto, seu comentário espelha parte de nossa caminhada....
Apareça..

Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Soluz..
Grartidão pelo texto lindo do Mestre Ambrósio..
Para mim seu comentário é importante, pois você é um dos poucos irmãos e amigos que esteve (e está) sempre presente em minha caminhada..
E eu não poderia deixar de compartilhar contigo esse momento que vivo...

Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Lê.. Irmão..
Já faz tanto tempo assim? Lembro-me de nossas aventuras espirituais:
O Caçador de Dragões e o Dragão, ambos da mesma origem, da mesma linhagem, ambos partilhando um só coração... O que posso te dizer em gratidão, se não o quanto você foi e continua sendo parte de minha existência...Te amooooo demais irmão e você sabe disso...Sempre estarei ao seu lado, mesmo a morte, não vai separar nosso sangue e apagar o que sentimos de irmão para irmão...
P.S: Irmão, diz a Avó que sinto saudades de está com vocês em Ribeirão Preto....
Obrigado por você existir...te adoro D+

Alexandre disse...

O que um nome contém? Será que os rótulos que fixamos nas pessoas nos dizem tudo que precisamos saber? Se dizemos que ela é apenas uma criança, isso significa que ela é realmente inocente? Será que chamá-la de traficante de drogas prova que ela é puramente má? Será que um pastor sempre seguirá o que ele prega? Pode um homem marcado como vilão possuir as qualidades de um herói? A verdade é: um nome nunca irá poder falar realmente quem alguém é... muito menos poderá dizer do que eles são capazes de fazer.
Por isso meu irmão, PARABÉNS por mais uma vez mostrar o rosto e a metamorfese necessária que cada um sofremos e sofreremos em nossa caminhada. E não se importe com aqueles que buscam saber quem tu és.
E quem tu és? Basta apenas uma palavra e as palavras não bastam para te definir e jamais o resumir...tu és muito e pouco... tudo e nada...Sempre será..
SUDADES amado irmão.

maraujo9 disse...

Saudações,
Definições restrigem e matam, tudo que é definido perde sua magia e seu encanto.

A eterna busca é o que nos mantém vivos, e cada vez que nos aproximamos de uma resposta uma nova dúvida nos leva ao primeiro passo de uma nova jornada.

E assim se vão as jornadas, momentos de chegar e de partir, de união e de solidão.

Cada momento tem sua importância e não deve ser sobreposto a outro, o importante não é chegar, mas a caminhada, não parar, o aprendizado que acumulamos.

Isso é a bagagem para novas viagens.
Cair faz parte, mas se manter de pé, é o que nos diferencia na noite do obscurantismo.

Livres das amarras, das definições, pois, antes mesmos do registro da história, das pesquisas, e da organização dos cultos em dogmas e doutrinas, lá estava o buscador, e lá estava a essência divina, que o ouvia e atendia suas preces e seus ritos.

É preciso trilhar o caminho inverso,
quebrarmos as formas e nos conectarmos, com esse ancestral, de um tempo antes do tempo que conheçemos hoje,
onde o homem era livre pra celebrar os deuses.

Salve todos os santos, caboclos e guias.

maraujo9 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Saudações Marcos...
Obrigado pelo comentário, os vínculos que nos une são antigos e nos coloca dentro da mesma linhagem e sangue...
Trilhe sempre o caminho da liberdade e nunca se restrinja é o que aprendi com você...

Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Alexandre..
Xandy, irmão, amigo, confidente, sangue de meu sangue...te adorooo irmão...Obrigado por comentar...

Mia Lopes disse...

Duas de suas colocações no texto acima me chamaram atenção.
Primeiro a forma como você não se define, haja vista que definição é algo estático, imóvel e no processo de autotransformação o buscador deve ter a capacidade de se transmutar para adequar-se ao caminho ou mudar o céu para que tudo em volta se adéqüe.
Outro ponto bastante interessante é que diferente de outros xiitas o irmão não renega o caminho que trilhou, do contrario, entendi a importância e as contribuições de cada percalço, ordália e caminhos que seguiu acreditando ter se encontrado.
Poderia falar o quão belo achei suas palavras, mas vou me ater a quão profunda foram. Talvez hoje suas palavras sejam em vão, mas logo à frente nos deparamos com o universo iluminado as mentes.
Por fim, essa caminhada só é possível a partir do momento que o irmão fez silêncio e escutou a si mesmo e clamor de sua terra ecoando o sangue. Esse é um grande desafio.

Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Mia
Obrigado pelas Reflexões e pelo comentário...

Giancarlo Salvagni disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Olá Giancarlo...
Obrigado pelo comentário, espero que a Luz que vê seja refletida e se irradie daqui para além nesta nossa terra, afim de iluminar outras mentes e corações, servindo para eliminarmos as diferenças e destruirmos o preconceito que as vezes levantamos contra o outro quando este não trilha caminhos que achamos certos...
Gratidão mais uma vez....

Giancarlo Salvagni disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Irmão Giancarlo...
O importante é saber que posso contar com você..
Saiba que concordo com seu comentário...existem coisas que necessitamos renovar e tanto eu, quanto você, passamos por isso, sinto-me feliz em poder saber que não caminho sozinho o caminho, mas sim em companhia de outros como tu. Portanto que nunca sejamos estáticos e sim sempre constantes..Bençãos meu irmão...Estou sempre as ordens..
Gratidão

Giancarlo Salvagni disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Irmão Giancarlo...
Desde quando existia inimizade entre nós? Desconheço tal coisa...
De cá sempre estivemos abertos e se me lembro nunca houve ressalvas a vós de nossa parte...Bençãos dos Senhores Mestres!!!!!!!!!