domingo, 23 de outubro de 2011

ECOS DAS VOZES MUDAS

"Vais ler uma página da vida; cheia de sangue e de vinho..." (Macário)

Em fim, Tudo dentro da existência tem um Destino traçado, tudo tem inicio, meio e fim, para depois renovar-se e ser outra coisa, que carrega dentro de si aquilo que foi antes de ser o que é... Assim, a Roseira de hoje, trás intrisica em si mesma, todas as roseiras que lhe antecederam e da qual é originada... Do mesmo modo Caim carregava o Crânio de Abel, e através da casca do barro, o crânio antes habitado na carne pelo Ego-Mortal, agora vazio pôde ser preenchido com o Fogo da transmutação....


2010, trazia surpresas... e nesse ano chegou o momento de ruptura do velho para originar o novo, demos fim terreno ao Coventiculo que mantínhamos,  rompemos de vez com os resquício do velho, dessa forma, proclamos nossa "Indomada Liberdade" que nos permite trilhar todos os caminhos que levem as metamorfoses capazes de transmutar o barro vil em ouro potável.

Nesses último anos várias foram as mudanças que passei, realmente posso dizer que a “Ofício Bruxo” é a arte das “Metamorfoses” e o resultado final de suas ordalias são as transmutações de DESTINO....

Mas em 2011, alguma coisa estava inquieta dentro mim.. 


Parava diante da tela do PC e a vontade de escrever uma cerimônia ou texto não mais existia...

Um vazio imenso, agoniante, um essência de nada... 


Olhava os ritos da Tradição que herdei e eles não me diziam nada... e, “Nada”, fazia sentido...aliás  diziam sim, gritvam em bom e alto tom, e eu ouvia o eco das vozes mudas..


Vozes que repetiam..Chega!!! Isso não é para cá é para lá..

Lá onde?

Cá Onde?..

Vaguei dias apois dias, pela imenso deserto de solidão de minha mente... 


Mente sombria, habitada por dêmonios e bestas, que me espreitavam nas sombras..

Ali, livre, ressurreta minha sexualidade desenfreada, minha luxuria carnal, meu desejo de consumir a mim mesmo... 


Queria me absorve no vazio...

Eu já estava no vazio... (e nem percebia)


E o vazio trazia dor... demais... Bem no Centro no Peito.......


Um imenso buraco estava cavado na alma... 


Em fim Bruxaria é Isso?...eu perguntei..

Quanto desespero, eu queria me apegar ao último resto de fêlego das minhas antigas crenças e práticas... lenta e pertubadamente, elas se afastavam de um "sentido"...elas se revelaram carentes de resolução imediata de soluções e causas....
As vozes mudas gritavam e eu outra vez as ouvia... palavras sussurradas no escuro do quarto.. murmúrios e burburinhos sarcásticos... 


Uma vontade estonteante de tragar um cigarro e tomar um gole de conhaque para acalmar-me, me torturava...


Silêncio – dizia o eco...


Mudanças -  repetia eu...
Rezei desesperado para que a Deusa e o Deus  que tanto cria, que tanto festejei, me respondessem...


Mas qual Deusa? 


Qual Deus?

A minha "Iconostasys" os havia matado, seus idolos foram quebrados, pois nada mais eram que partes de religiões mortas, criada por homens mortais..

Dura realidade essa.. dura, nua e crua, em pele e pêlos, sem nem se dá o cuidado de colocar um Baby doll...!!!!!
Ordália sutil de Destino surgida no o último folego de uma égregora que teima em não desvanece-se no éter.....


Até minha esperança foi tirada (onde estão meu redentor e meu tentador?.... e assim transpassado fui até o limite de “nada mais haver deles”... 


Sim, a Grande Mãe e o Grande Pai Pagãos da Europa, tornou-se em mim pura essência de “Nada”...
E..
Nada contém algo..mas o que? ..


....Não há certeza...
Minha única certeza é silêncio...e recuo cada vez mais para dentro e para fundo na Terra que me gerou..

E as vozes mudas falavam mais e mais noite a dentro... 

O relogio insistia em badalar suas frias e mortas horas da madrugada dentro do quarto..


Insônia.... ou Seria Sonho..?

Então a terra gritou, não como as vozes da letras do textos dos ritos que herdei.. Não.. A terra gritou, um grito sensual e sedutor, e ela me estendeu a cuia... E eu tomei aquele “Vinho de Fogo”, e, instantânemente, foi como, se tivesse, beijado o sapo, lambido a rã, pois, saltei daqui para “aqui e agora”, decepcionado não estava na Celtibéria ou no Semmerlad, muito menos no Valhalla, cheguei as cidades sagradas, e, depois fui lançado no meio da caatinga, aos pés da juremeira, numa roda de Mestres, Velhos Caboclos de penas,  Vaqueiros e Pretos Velhos, e ali estava meu Mestre, meu conselheiro e meu professor de ciência e ele que me fez ver o “Sonho” de uma outra perspectiva ao dizer-me “os Corvo” nunca perdem a rota....
Apenas voltaram para a Casa...

16 comentários:

Mia Lopes disse...

Senti vontade de chorar ou melhor...chorei!
Fiquei na fronteira entre o êxtase e a depressão.
Li como se Azazel estivesse ao meu lado narrando suas sensações, carregada de emoções e sem expressão alguma.
Em um dado momento eu li como se a aflição ali representada fosse minha... e é também, mas o que é nada? É alguma coisa, mas que coisa?
Tudo isso ta fervendo aqui dentro, novamente estamos conectados por um cordão umbilical que habita o astral.
E ao final? O tempo todo a resposta ta aqui, em baixo dos pés, no ayê, no sangue, no barro vermelho.
E mais uma vez, voltamos para casa.

Marcha Lvx.

Gerson Tavares disse...

Ótimo texto e relato.

Realmente à mudança é a lei da vida.

Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Obrigado Marcha e Obrigado Gerso...
Acho que essa frase diz tudo do processo:
!!!!!!!!!Salve os Mestres!!!!!!!!!!

Julio Cesar disse...

Lindo texto, Gael.

Novamente nos tocando com a profunda emoção dos seus textos. Me sinto participando de seu processo como as vozes em seu inconsciente.

Boa sorte em seu caminho, senhor. Que você faça bom uso das coisas que aprendeu e que também traga novos conhecimentos, da ordália destas estradas solitárias!

Nion disse...

Consumimos a nós mesmos, nossas casacas vazias, acreditamos tantos em verdades definitivas que nos esquecemos de que a verdade é imutável, a percepção que se tem dela é que se transforma. Enfim, escrever é algo que aprecio; nunca se sabe exatamente o que as Musas nos inspirarão ou que voz dentro de nós irá falar, se um anjo ou se um demônio, um devaneio ou uma realidade fumegante.
Sua narrativa poética, sincera, rápida, fortemente marcada por um pós-romantismo é peculiar e rara. Parabéns.

Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Irmão Nion
Sinto-me extremamente grato pelas palavras...
Valew...

Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Julio...
Como sempre posso contar com suas palavras que me inspiram..Gratidão a ti...

OLHAR PARA DENTRO disse...

Tudo que se vive etá em nossa alma,desconstruiu tantas coisas,foi além dos ícones e encontrou o "nada" que pode ser qualquer coisa dependendo do lugar e da necessidade. Se desconstruiu ,encontrou os mestres que um dia estiveram na carne ,hj encantados que te guiam,mais real, palpável e do agora e do aqui,mas tudo antes foram pedras que construiu caminho da sua vida,agora outras trilhas serão feitas e armazenadas em vc.Mas...os que com vc antes trilharam caminhos idos chegaram neste niilismo,estão indo por novas construções...

Striglae. disse...

Nossa que texto , que compreensão , que forma gael está de parabéns ...

Bem meu querido , acredito que tu tal como caim havia feito quebrou e ainda a de quebrar teu abel ae , quebra-lo e quebra-lo embusca não da forma perfeita , mas sim da aperfeiçoação da tua forma ...

Enfim , meu coments , hoje é breve , mas parabéns..

Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Striglae.
Obrigado...pelas palavras..
Que sejam elas oráculos e bons augúrios...

Andarilho do vento leste disse...

O texto maravilhoso, com vida própria.Levando-nos a encruzilhada de nossa encruzilhada.Mais do que palavras percebo um grimore de pele e ossos, saliva e suor... Um grito de força e vida!

grato Irmão.

Danilo disse...

Pow mano nem sei oq dizer, assim como a Mia,mim tocou bastante suas palavras parecia q vc tava aki do meu lado!!!
Mim deu uma Forte sensaçao bem lá no fundo do coração,nem sei como explicar,mais Parabéns pelo texto, te desejo muitas felicidades , e sorte em sua Caminhada!!! Um forte Abraço meu irmão

Seth Thanatus disse...

Pois é irmão... a muito você já havia percebido o gradual silenciar das vozes, porém como lhe conheço um pouco, sei que lutava e relutava contra a realideda intransmutável e ao mesmo tempo gritava/brigava a fim de não parar de ouvir as vozes que por anos cultuou.
Acredito que a idéia de ficar 'surdo' o deixava extremamente incomodado. O que falar para as pessoas que ficaram 'surdas'e NÓS a criticamos (por pura ignorância nossa)e agora si vendo em uma situação parecida.
O orgulho por tempos se fez presente. Ser o único a não sucumbir ou o útimo a aceitar a natural evolução espiritual estava intrínseco.
Manter viva a crença custe o que custar era o objetivo, até que a morte chegue era a meta final.
Fico MUITO feliz por você ter dado uma chance a si mesmo (por caminhar em outra estrada com o mesmo fim) e ao seu destino, que como você mesmo disse “...Tudo dentro da existência tem um Destino traçado, tudo tem inicio, meio e fim, para depois renovar-se e ser outra coisa...”

Ps.: estou a espera de um feliz reencontro para saborearmos um maravilhoso vinho.

Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Em poucas palavras, você me disse muito. Obrigado, por outra vez compartilhar comigo seu abraço fraternal, que muitas e muitas vezes me trouxeram a paz..Valew..

Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Olá.. Seth..
Você é um dos raros que mantém comigo laços de amizade e de sangue... Muitos anteriores e posteriores a você, se quer dirigem-me a palavra (nem virtual ou social) esqueceram (hoje me situação melhor) de quanto lhes fui útil (em vários sentidos) no passado (confesso que essa ainda é uma ferida com casca, que teima em sangrar).. Por outro lado, sou grato a DESTINO por ter você mesmo morando no RJ como sendo um dos poucos com quem compartilho intimamente minha jornada e vida..

Azezel Semjaza Qayinn Lvnae disse...

Danilo
(Dandan..) meu pequeno - Grande irmão, nossos caminhos foram traçados por DESTINO, e sob essa terra compartilhamos da mesma essência e missão, sou especialmente Grato ao Meu Mestre por me ter levado até você...MAKTUB...