terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

PONDERAÇÕES SOBRE O AMOR


Para eu e ela e para você e seu amor 
Boa tarde meu tio, ontem me veio este texto que queria dividir com você: Quando nos relacionamos com alguém e nos dedicamos de corpo e alma a este amor, vivemos a utópica imagem de perfeição, inclusive quando estamos apaixonados, estamos dispostos a acreditar que o amor será eterno e que tudo será como nos filmes de romance, que os finais são emocionantes (isso pode acontecer na vida real, no entanto, com menos freqüência).

A minha viagem meu tio parte da experiência de que, na verdade, o relacionamento vai ser ótimo, e vai ser emocionante; mas, em algum momento a crise vai surgir. Não como as leves discussões de ciúmes que alimentam e fortalecem o amor; mas uma crise verdadeira que às vezes força-nos a tomar  uma decisão dolorosa.

Todo grande amor tem crises (de um, três e sete, etc...), isso acontece nos filmes e na realidade. O que diferencia um do outro é que: nos filmes eles (os enamorados) sempre ficam juntos, já na vida real as pessoas desistem muito fácil do amor (era mesmo amor?).

Nos filmes as pessoas insistem e acreditam no amor verdadeiro, na vida real, em algum momento surge à dúvida e quase sempre esta leva a desistência do amor (e quando a dor do fim bate, tem aquele velho e bom – mas às vezes inútil -  conselhos dos amigos:  depois você encontra outra pessoa). Mas, quando a crise se instala, e por fim acarreta o fim de um romance real, dizemos: há sempre um recomeço, e há sempre uma esperança de amar outra vez. Porém, na crise surge a crise dentro da crise: era amor mesmo o que acabou? E se for, o fim é real ou um negócio mal acabado, um romance onde ambos terminaram mesmo amando-se com amor de alma que os une?

Se for meu tio, amor mal acabado, o recomeço (com novo amor) jamais terá progresso se os amantes terminados estiverem separados de corpo, mas ligados por alma. Por mais que tentem se enganar e seguirem (individualmente) em frente, isso não será possível. O amor que sentem (e ainda os une pela alma) é mais forte do que os motivos que os levaram a se separaram. Por mais que encontrem outra pessoa, jamais esquecerão o amor verdadeiro.

Todo negócio mal acabado, gera desconforto de direção (e no amor, isso é incomensurável). Tentam preencher o vazio com a ilusão de seguir em frente, buscando coisas que são indefinidas para ocupar a lacuna causada pela falta do verdadeiro amor.

Sabe meu tio acho que os filmes de amor estão tentando nos ensinar algo sobre isso e nós não aprendemos e estamos errando tanto. Precisamos mudar na maturidade (deixa eu dizer algo sobre isso: maturidade está relacionado com experiência e não com idade), ou seja, essa experiência de dor e de vazio daquela pessoa, vai nos causar maturidade para saber lidar com a relação mal acabada (era mesmo amor o que acabou?).

Então, como os filmes nos ensinam: não usem as experiências ruins para abandonarem seu grande amor, use-a como trampolim para agir como maturidade e resolver a união.

Portanto, não se iluda com a falsa expectativa de que seguir em frente e esquecer aquele amor te tornará bem sucedido (pois se era amor compartilhado, não se esquece); ao contrário, isso te fará viver uma vida pensando no por que não terem tentado mais uma vez da uma chance ao amor.

Temos (quando o amor é compartilhado) dê sempre dá uma nova chance ao amor, pois amor é a força mais soberana que existe para unir e amoldar as almas separadas (que compartilham mutuamente de uma amor comum).

Deus, em sua soberania, criou e se submeteu ao amor para unir-se ao homem, perdoá-los. Assim, devemos aprender a mesma lição: o amor une e não separa.

Se temos amor (compartilhado por ambas as almas), usemos as mesmas lições dos filmes: as experiências que gerou a maturidade para reconciliar-se com nosso grande amor.

Mas se apenas uma metade da alma ama (e isso foi o motivo da crise), temos que superar as dores da separação e nos convencer que apenas um amou e o outro não, e pelo amor a si mesmo (se não era amor compartilhado que a crise findou) precisamos deixar de lado aquilo que foi ruim na ilusão do amor (pois só uma metade amou - não se pode amar por dois), e nos projetar num patamar superior para se ser feliz em busca da outra metade do amor que nos completa na jornada da vida e que está em algum lugar procurando por nós.  

 ========================================
Texto construído a partir da reflexão de meu sobrinho de sangue e alma, (indomável ovelha negra da família): Kaique Lowram e descaradamente plagiado por mim, com a conivência e autorização dele. Por isso o texto tornou-se mentiras símeis aos fatos... “e dizer mentiras símeis aos fatos é furtá-los à luz, encobri-los. As mentiras são símeis aos fatos enquanto só os tornam manifestos como manifestação do que os encobre " ele, revela assim, similitude que se oculta na verdade e na mentira no estreito caminho entre o cinismo e a ingenuidade.....

========================================


7 comentários:

Ayrton disse...

Ótimo texto, vc escreve muito bem... Continua postando, gostei do blog!

Anônimo disse...

Gostei do texto! O amor é puro quando é ligado pela alma. Mas quando isso não acontece, se metamorfosea em solidão e em distância. Amor é inocente e se contradiz! Amamos na união e na separação.

Anônimo disse...

Sou o Danilo! Esse e meu texto acima(o anônimo)!

Alecia Motta disse...

Como diz um amigo meu "Só ouvi verdades"
Adorei o texto que me fez refletir sobre o momento em que me encontro.

Jayhr Gael Lvnae disse...


O texto nas entrelinhas, nas verdades simeis aos fatos, fala da jornada da alma na busca de ser completa...
Obrigado....Alecia Motta...

Jayhr Gael Lvnae disse...

Olá.. Anônimo (Danilo), não entendi o que quis dizer com "Esse e meu texto acima (o anônimo)", se você é autor do texto, então eu estou cometendo o crime de plágio? Confesso (como já disse no texto) que Fiz plágio do texto-conversa com meu sobrinho (Lowran).

Então você poderia explicar?

se acaso ele conversou comigo a partir de alguma reflexão dele sobre algum texto seu, me informe por favor para eu lhe dar os devidos créditos.. Pois nossa intenção sempre foi e será dar os créditos aos autores, como pode ver noos demais textos não auto-autorais..ok..

Alecia Motta disse...

Eu quem agradeço. Pelos textos que compartilha e pela atenção em responder ao meu comentário.